Especial Zuzu Angel - Parte I


Para o profissional que lida com criação e estilo é imprescindível um repertório rico em informações de moda. Não basta apenas conhecer as técnicas de produção e criação, e apropriar-se das pesquisas de tendências – é necessário, também, uma bagagem cultural advinda do estudo da história da moda, da memória da moda. É neste âmbito que ocorre um grande movimento pela moda e pela criação como memória, a Ocupação Zuzu Angel.

Ocupa Zuzu

A Ocupação Zuzu Angel, que ocorre na sede do Itaú Cultural, em São Paulo (SP), teve início em 1º de abril e está em seus dias finais – encera-se dia 11 de maio. A exposição é calcada em uma ação mutimeios e multimídias. Segundo a jornalista Flavia Guerra, do Estadão, “a Ocupação é uma espécie de exposição que se move e reúne mostra, performances, clico de cinema e encontros com especialistas e estilistas”. Com um acervo de aproximadamente 400 peças e 40 looks, a exposição consiste em uma excelente forma de conhecer mais sobre a estilista que, usando a moda como arma e discurso, militou veemente contra o golpe militar de 1964.

É válido conhecer a memória da estilista para entender como se desenha a moda nacional nos dias de hoje. Zuzu Angel nasceu na pequena cidade de Curvelo, no ano de 1921. Cresceu em Belo Horizonte, viveu na Bahia e fixou residência no Rio de Janeiro. Zuleika de Souza Netto, seu nome verdadeiro, deu lugar à “Zuzu Saias” quando a menina do interior decide abrir um atelier modesto, em sua própria casa, transformando seu quarto em sala de costura. Já casada com Norman Angel Jones, e já mãe de Stuart, Ana Cristina e Hildegard, Zuzu sai do patamar de costureira para se tornar a voz da moda brasileira – o que se consolida na década de 1960.

Zuzu e os militares

Era 1971 e Zuzu estava no auge da carreira. Era sucesso no Brasil e fora dele. Contudo, naquele ano, Stuart Angel Jones, seu filho primogênito, é preso e morto pela ditadura brasileira. Zuzu dedicou o resto de sua vida a denunciar os horrores do governo. Clamou para todas as autoridades possíveis para que pudesse encontrar e enterrar adequadamente o filho, usou de sua influência e sua representatividade para militar contra os militares. Zuzu Angel morreu em uma tocaia, uma emboscada – mas seu legado vive até hoje.

Zuzu Angel tornou-se uma líder quando, outrora, os horizontes brasileiros eram obscurecidos pela repressão, pela violência e pela ditadura. A morte de seu filho, Stuart, fez de Zuzu uma porta-voz da nação em outros territórios, quando denunciava, sem medo, o terror brasileiro. Assim, a memória de Zuzu Angel não poderia ser mais rica e mais inspiradora para a moda e para a criação de moda.

Imagens: quadro inferior: oliviafigueiredo.com; quadro superior: soniasampaio.com.br.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle

Inês Beauty. Proudly created with Wix.com